Nossas Sugestões

6 dicas práticas para desenvolver sua inteligência emocional

6 dicas práticas para desenvolver sua inteligência emocional

Por Redação Blog Gazin Atacado • 10/05/16

Inteligência emocional é uma habilidade muito importante para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. Entender e gerenciar as próprias emoções de forma positiva (e também compreender melhor as emoções dos outros) pode ajudá-lo a aliviar o estresse, se comunicar melhor e superar conflitos e desafios de forma mais calma.

Nós já explicamos todos os benefícios da inteligência emocional aqui no blog. Clique aqui e saiba mais sobre as vantagens dessa atitude.

Mas no mundo acelerado em que vivemos, não é todo mundo que consegue controlar seus impulsos emocionais. Por isso, além de entender a importância da inteligência emocional, é preciso saber, também, como desenvolvê-la.

Se você trabalha diretamente com o público, como é o caso do varejo, em que há contato diário com diversos tipos de personalidades e situações, é ainda mais fundamental ter essa aptidão de gerenciar suas próprias emoções e a dos outros bem desenvolvida.

Sabendo disso, apresentamos a seguir algumas dicas práticas para que você possa trabalhar sua inteligência emocional, melhorando seu bem-estar e a qualidade de seus relacionamentos.

Vamos lá?

1) Entenda como você se sente em relação às diferentes situações

O primeiro passo para desenvolver a inteligência emocional é aprimorar a autoconsciência. Saber que tipo de sentimentos as diversas situações provocam em você vai ajudá-lo a se preparar melhor para tais momentos. Digamos que quando precisa fazer uma apresentação em uma reunião, você fique muito nervoso. Tendo consciência dessa dificuldade, você pode se preparar para que a ansiedade não tome conta da situação e acabe piorando as coisas.

inteligência emocional (6)

Sim, a gente sabe que na correria do dia a dia, muitas vezes é difícil ter esse entendimento sobre nossos próprios sentimentos. Mas existem algumas simples ações que podem fazer com que essa autoconsciência seja incorporada à sua rotina. Você pode, por exemplo, criar um alerta para vários momentos do dia. Quando o alerta soar, pare e analise como você está se sentindo naquele instante e avalie a situação que está vivendo. Se precisar, vá anotando isso em um caderno, criando um “diário das emoções”. Pode parecer estranho, mas, acredite, isso vai ajudar você a conhecer melhor a si mesmo.

2) Preste atenção em seus comportamentos

Depois de entender como você se sente, é importante também compreender de que forma cada sentimento o afeta. Se, por exemplo, quando você dá um feedback ruim para um vendedor, isso o deixa angustiado e atrapalha seu desempenho em outras atividades, você pode pensar em uma forma de transformar essa conversa em algo agradável e positivo. 

inteligência emocional (7)

Para tornar isso possível, é preciso criar o hábito de parar e analisar suas próprias atitudes. Que tal, por exemplo, ao fazer o exercício do item número um já analisar como você está se sentindo e de que forma isso está se refletindo em seus comportamentos? Essa é uma maneira de começar a analisar suas ações. Com o tempo, você ficará cada vez mais consciente do que está provocando em você determinadas atitudes.

3) Seja responsável por suas próprias atitudes

Não colocar a culpa de suas ações nas outras pessoas também é um importante passo para ter mais inteligência emocional. Muitas vezes, é mais fácil dizer que você se irritou e gritou porque “o outro provocou”. Mas a verdade é que só você é responsável por suas atitudes. Por mais que a situação o deixe irritado, ninguém obriga você a extravasar essa irritação. Por exemplo: se um cliente grita com você na loja e você grita de volta, esse comportamento é responsabilidade sua, e não do cliente.

inteligência emocional (4)

Ao fazer as análises dos itens um e dois você conseguirá ser mais consciente de suas atitudes e se preparar melhor para que elas sejam controladas e direcionadas de forma a resolver as situações de conflitos – e não as piorar. Ou seja, se você já sabe que vai se irritar ou ficar nervoso em determinada situação, pode pensar em caminhos para resolver a questão de forma mais inteligente e menos impulsiva.

4) Tente responder em vez de reagir

Responder é diferente de reagir. Quando você reage à uma situação, você, naturalmente, atua por impulso. Digamos que você esteja resolvendo um problema muito sério e uma pessoa chegue para tirar uma dúvida sobre um assunto aleatório, que não tenha nada a ver com o que você está lidando no momento. Se você reagir, pode acabar gritando com essa pessoa, dizendo para deixá-lo em paz. Se você responder, irá se colocar no lugar dela e entender que ela não tem nada a ver com o conflito que você está vivendo. Sua resposta será no sentido de dizer que aquela não é a ocasião ideal, indicando um momento melhor para conversarem.

inteligência emocional (2)

Responder em vez de reagir é uma ação que demanda autoconhecimento (entendimento sobre suas próprias emoções e atitudes) e também empatia (se colocar no lugar do outro). As três dicas acima podem ajudá-lo a se conhecer melhor. As duas dicas a seguir irão auxiliá-lo a entender melhor as pessoas à sua volta.

5) Desenvolva sua habilidade de ouvir as pessoas

A habilidade de verdadeiramente ouvir as pessoas, de se mostrar interessado no que elas têm a dizer é fundamental para melhorar a comunicação. Em momentos de crise, então, essa aptidão se torna ainda mais essencial. Os profissionais emocionalmente inteligentes sabem da importância dessa competência, pois só ouvindo é possível entender melhor o próximo e o que ele está sentindo.

Exemplos:

  • Escute atentamente um cliente quando ele está fazendo uma reclamação. Sentir-se efetivamente ouvido pela loja é o primeiro passo para ele se acalmar.
  • Dê espaço para que os colaboradores deem suas opiniões. Ao se sentir ouvido, isso aumentará a confiança do profissional e também o seu senso de pertencimento à empresa.

inteligência emocional (3)

O que acontece geralmente é que as pessoas não ouvem genuinamente o que o seu interlocutor está dizendo. Enquanto alguém fala, o ouvinte já está pensando em uma resposta, e isso o impede de realmente prestar atenção na mensagem.

Uma forma de efetivamente ouvir é repetir o que o outro disse assim que ele terminar de falar. Se um consumidor veio reclamar do produto, após ele acabar sua fala, você pode dizer. “Então, só para alinharmos, você comprou esse produto há três dias em nossa loja e ele começou a falhar na terceira vez que o utilizou. É isso?”. O cliente vai responder “isso mesmo” ou “exatamente”. Ao dar essa resposta, ele já se sente aliviado, pois sabe que você o entendeu e que vai procurar ajudá-lo a resolver o problema – com isso, deve ficar mais calmo também, evitando que o estresse e o nervosismo tomem conta da situação.

6) Pratique a empatia

Depois de aprender a efetivamente ouvir o outro, é importante também entender o que ele está sentindo e colocar-se no lugar dele para saber como agir.

Digamos que em sua loja um vendedor que era muito bom comece a chegar tarde e a se indispor com os colegas. Antes de brigar com ele ou aplicar uma punição, o líder que é emocionalmente inteligente vai procurar compreender o que está causando essa atitude. Pode ser, por exemplo, que ele esteja passando por problemas pessoais ou que esteja desmotivado com o seu trabalho. A partir desse entendimento, ficará mais fácil saber como agir.

inteligência emocional (5)

E ainda, mais importante que entender como o outro se sente, é saber comunicar essa empatia.

Imagine que um cliente chegue na loja gritando muito porque o produto que ele comprou não funcionou. O vendedor impulsivo pode acabar gritando de volta com ele, criando um ambiente cada vez mais violento. Já o profissional com inteligência emocional desenvolvida, irá falar algo como: “Entendo o que está sentindo. É muito frustrante quando compramos algo e ele não funciona como esperávamos. Mas ,acredite, vamos resolver essa situação, porque não queremos que você se sinta assim”. Dessa forma, o cliente vai saber que ele foi compreendido, vai ver que a loja está tentando ajudá-lo e, consequentemente, vai se acalmar também.

 

O que achou dessas dicas? Acredita que elas podem ajudar os profissionais de sua loja? Deixe um comentário com sua opinião! Se quiser, pode apontar também alguns exemplos que mostram a importância da inteligência emocional no seu dia a dia. Esse espaço é para compartilharmos informações e conhecimentos. Fique à vontade sempre para opinar e comentar.

 

Imagens: Freepik

Quer mais novidades Gazin Atacado? Curta nossa página!


0 | Deixe seu comentário
Recomende este post: 21
Compartilhe:

Fique atualizado com o mercado.
Receba os artigos do Blog do Varejo por E-mail.

Temas relacionados

Post Relacionados

0

comentários em "6 dicas práticas para desenvolver sua inteligência emocional"

Em destaque no Blog do Varejo