Nossas Sugestões

Como saber se você está microgerenciando sua equipe e como reverter essa situação

Como saber se você está microgerenciando sua equipe e como reverter essa situação

Por Redação Blog Gazin Atacado • 31/07/19

Saiba como identificar se você está microgerenciando os profissionais da sua equipe e entenda o que fazer para corrigir essa situação

O que é microgestão 

Microgestão é uma expressão que deriva do termo inglês micromanagement. Em linhas gerais, a microgestão ou o microgerenciamento é um estilo de liderança sufocador, em que o líder controla todos os aspectos e pequenos detalhes do trabalho da equipe. 

Esse comportamento geralmente está associado à insegurança do gestor e/ou a uma visão equivocada em relação ao seu papel como líder. 

Ou seja, o microgerenciador quer “dar pitaco” em absolutamente tudo. Afinal, ele acredita que a função do gestor é ter todas as respostas e controle total sobre todos. Porém, isso não é verdade.

A verdadeira função do líder é ajudar a equipe a trabalhar da melhor maneira, desenvolvendo suas habilidades e aptidões especiais – pelas quais, inclusive, eles foram contratados. 

E isso, claro, só pode ser feito em um ambiente de trabalho em que os colaboradores tenham liberdade e autonomia. 

Nas palavras de Steve Jobs: 

“Não faz sentido contratar pessoas inteligentes para dizer a elas o que fazer. Nós contratamos pessoas inteligentes para que elas nos digam o que fazer.” 

Como saber se você está microgerenciando seus profissionais 

Sabe aquela sensação de que você está sendo vigiado, que tem alguém “na sua cola” o tempo todo, barrando suas atividades e atrapalhando sua produtividade? Pois é, você pode estar causando em sua equipe!

É comum que muitos líderes adotem essa postura supercontroladora sem se dar conta do dano que estão causando aos funcionários. 

Pensando em ajudá-lo a entender se esse é o seu caso, listamos a seguir três sinais que indicam que sua liderança está sufocando o time e podando a performance dos profissionais. Confira e descubra se você está microgerenciando seu time.

Sinal #1 de que você está microgerenciando seu time:
Você sempre diz “Eu posso fazer melhor” ou “Prefiro fazer eu mesmo”

Muitos gestores adotam o estilo microgerenciador sob uma desculpa que soa mais ou menos assim: “Prefiro fazer tudo para fazer bem feito”. 

Você é desses? 

Essa é uma abordagem que não faz sentido! Não só pela questão operacional, mas também financeira. Afinal, se você contratou alguém, é porque verificou que aquele profissional está apto para realizar as tarefas necessárias, correto? 

Então, se você acha que um profissional não está preparado para uma determinada tarefa, lembre que é seu papel treiná-lo e desenvolvê-lo, e não fazer o trabalho por ele. 

Portanto, ao simplesmente assumir suas funções, você não permite que ele aprenda na prática. 

E ainda, se você acredita que o colaborador não tem as habilidades necessárias para a função, bem, o problema está no processo de recrutamento e seleção!

Qual é a lógica de pagar o salário de um colaborador enquanto você simplesmente não o deixa trabalhar e ainda desperdiça o seu tempo como gestor em funções que não são suas? 

Sinal #2 de que você está microgerenciando seu time:
Seu time está sempre esperando pela sua aprovação 

microgerenciando

É claro que, como líder, você precisa ter a palavra final em muitos projetos e deve aprovar o andamento de ações estratégicas. No entanto, os microgerenciadores vão além e sentem necessidade de dar seu aval para cada mínimo detalhe do trabalho dos profissionais. 

Você é um desses gestores que: 

– Quer ser copiado em cada e-mail que seus profissionais enviam?
– Não permite que nada aconteça sem você aprovar?
– Questiona cada atividade dos profissionais com detalhes minúsculos, travando as atividades, sem oferecer soluções ou contribuições efetivas? 

Então, é bem provável que esteja microgerenciando seu time! 

Saiba que, além de estar causando um grande desconforto em seus colaboradores, está perdendo tempo e dinheiro com isso! 

Pense bem: você contratou profissionais para cuidar de tarefas que você não tem tempo para fazer. Afinal, como gestor, você tem outras preocupações e atividades mais estratégicas em mente (ou, pelo menos, deveria ter). 

Sendo assim, não faz sentido que, depois de contratá-los, você continue em cima dessas tarefas como se os profissionais não existissem ou não fossem capazes de fazer o trabalho deles. 

Ou seja, se você não tempo para fazer, não tem tempo para checar todas as atividades para aprová-las. O resultado dessa obsessão: e-mails acumulam em sua caixa de entrada e todas as atividades dos profissionais ficam travadas, esperando o seu “OK”. Isso, por sua vez, gera atrasos, retrabalhos, frustração e prejuízos. 

Além de atrapalhar o trabalho de toda a equipe, você vai perder muito tempo em questões que os próprios colaboradores poderiam resolver (novamente, lembre que você os contratou porque checou suas habilidades e confirmou que eles são capazes). 

Por fim, afirmando que você precisa aprovar tudo, está enviando a mensagem de que você sabe tudo. 

Pare para avaliar: 

– Por que assumir que só o seu jeito é o certo?
– Você tem medo de que os profissionais saibam mais que você sobre como fazer aquela tarefa?
– Mas não foi justamente por isso que você os contratou? 

Sinal #3 de que você está microgerenciando seu time:
Você monitora cada passo dos seus funcionários

Sim, profissionais precisam respeitar horários e ter responsabilidades. Contudo, adotar uma atitude supercontroladora em relação às movimentações dos colaboradores certamente não é a melhor saída para isso. 

Algumas atitudes de microgestão nesse sentido são: 

– Exigir que os funcionários comuniquem todos os seus movimentos – até mesmo saídas básicas, como para almoçar ou ir ao banheiro, por exemplo.
– Exigir que os colaboradores registrem o que fizeram em cada minuto do seu dia de trabalho.
– Penalizar os profissionais por pequenas falhas, como chegar cinco minutos atrasado – mesmo quando há uma justificativa clara ou é a primeira vez que isso acontece.
– Oferecer recompensa para que os colaboradores monitorem o trabalho dos colegas.
– Anotar e controlar cada saída e cada passo dados pelos funcionários secretamente – e usar essas informações para cobrá-los e atacá-los. 

Dá para imaginar trabalhar em um ambiente assim, em que há alguém na sua cola 100% do tempo?

Pois é, não há como não se sentir estressado, com medo e muito desmotivado. 

O microgerenciador pensa que, controlando cada passo dos profissionais vai garantir que todos estejam fazendo seu trabalho e ninguém perca tempo. Porém, acontece que essa gestão estilo “big brother” só vai prejudicar a performance dos profissionais que, sob pressão o tempo todo, não sentirão vontade de dar o seu melhor. 

As mensagens enviadas pelos microgerenciadores 

microgerenciando

No livro Own the Room: Discover Your Signature Voice to Master Your Leadership Presence (em tradução livre “Domine o ambiente: descubra sua assinatura de voz para dominar sua presença da liderança”), Muriel Maignan Wilkins oferece um panorama interessante sobre as reais motivações dos gestores supercontroladores. 

Na obra, ela lista o que os microgerenciadores apontam como justificativas para seus comportamentos, e esclarece o que eles realmente querem dizer com aquilo. 

No entanto, essa perspectiva é interessante também para entender de que forma os profissionais da equipe percebem e interpretam as atitudes de tais líderes. Confira!

O que eles dizem: “Vou economizar se simplesmente fizer eu mesmo.”
O que realmente isso significa: “Eu acredito que vou perder tempo se permitir que eles tentem executar a tarefa, já que eles não vão conseguir fazer mesmo.” 

O que eles dizem: “Há muita coisa em jogo para arriscar isso.”
O que realmente isso significa: “Eu não confio que eles irão realizar o trabalho do jeito que eu quero.” 

O que eles dizem: “Quando não estou envolvido tudo sai errado.”
O que realmente isso significa: “A única vez que eu dei autonomia para o time aconteceram erros e eu não estou disposto a arriscar novamente.” 

O que eles dizem: “Preciso estar profundamente envolvido no trabalho da minha equipe.”
O que realmente isso significa: “Se eu não me envolver, como vou provar meu valor?” 

O que eles dizem: “Se as coisas não derem certo, é a minha credibilidade que está em risco.”
O que realmente isso significa: “O trabalho não sairá se eu não ficar constantemente em cima deles.” 

Então, você já falou algumas dessas frases para justificar
uma atitude que mostra que você estava
microgerenciando a equipe?

Saiba que está enviando mensagens desmotivadoras e negativas para sua equipe!

A impressão que dá é que o líder é inseguro sobre suas próprias habilidades e, consequentemente, também não confia na própria equipe.

Mais do que prejudicar a performance e a motivação dos seus funcionários, saiba que essa postura supercontroladora vai acabar afetando também os resultados da sua loja. Afinal, a satisfação dos seus clientes está diretamente relacionada à satisfação dos seus colaboradores.

Aprenda mais!
A relação entre a gestão de pessoas e a satisfação dos consumidores

Como corrigir essa postura supercontroladora? 

microgerenciando

É importante entender que não estamos sugerindo que o líder largue totalmente a gestão da equipe. É claro que é crucial que o líder esteja envolvido no dia a dia dos profissionais, mas de uma maneira mais colaborativa, e não como uma imposição. 

Ou seja, você deve, sim, estar disponível para ajudar e orientar seus colaboradores sempre que preciso. Porém, ensinar não é o mesmo que fazer o trabalho por eles! E muito menos controlar cada passo deles. 

Se você oferecer apoio, conhecimento e treinamento, com autonomia e a sua confiança depositada neles, seus funcionários se sentirão muito mais motivadas a aprender e a dar o melhor de si. 

Saiba mais!

A seguir, confira alguns conteúdos que trazem dicas importantes para que você desenvolva uma gestão mais colaborativa e desenvolvedora. 

10 dicas para você ser um líder melhor
Tudo que você precisa saber para ser um bom líder
Os 5 piores erros do líder de vendas
5 dicas para ser um líder motivador
Como reconhecer seus melhores funcionários
Como dar feedback para vendedores no varejo
Vídeo: Liderança com propósito – o segredo para o sucesso da Gazin
Vídeo: A relação entre a boa liderança e a longevidade empresarial
Vídeo: O jeito Gazin de motivar, engajar e desenvolver os profissionais
Infográfico: Perguntas que todo líder deveria fazer à sua equipe
Lições de gestão e liderança de um dos maiores empreendedores do mundo
6 filmes com lições de gestão e liderança
6 livros de gestão para você ser um líder cada vez melhor
Retrospectiva Blog do Varejo: Dicas de gestão de pessoas no varejo  

Assista à série de vídeos com Sônia Rossi, gerente de desenvolvimento humano da Gazin, e aprenda lições importante sobre como montar, desenvolver e motivar uma equipe campeã: 

Esperamos que esse artigo o ajude a identificar se você está microgerenciando sua equipe. Se esse for o caso, não ache que tudo está perdido. Confira os materiais que listamos acima e aprenda dicas e informações importantes que ajudarão a colocar a sua gestão no caminho certo. 

Não é um líder microgerenciador, mas conhece alguém que é? Encaminhe este artigo para esse gestor e o ajude a entender como mudar suas atitudes. 

Até mais!

Imagens: Freepik; Rawpixel; Pexels

Quer mais novidades Gazin Atacado? Curta nossa página!


0 | Deixe seu comentário
Recomende este post: 4
Compartilhe:

Fique atualizado com o mercado.
Receba os artigos do Blog do Varejo por E-mail.

Temas relacionados

Post Relacionados

0

comentários em "Como saber se você está microgerenciando sua equipe e como reverter essa situação"

Comentar

Em destaque no Blog do Varejo